A- A A+

Mulheres migrantes e refugiadas a serviço do desenvolvimento humano dos outros

Migram as mulheres no mundo contemporâneo: vendidas como escravas ou fugindo de desastres naturais ou de violência; em busca de renda para o sustento de seus familiares ou à procura de maior autonomia. Migram as mulheres em travessias em que os sonhos e os pesadelos se entrelaçam, em que a vontade de sair se coaduna com o desejo do retorno. A migração, assim, se torna, não raramente, uma experiência de fragmentação, onde nem sempre o coração acompanha os caminhos dos pés. Envolvidas no âmbito produtivo, do trabalho externo, elas raramente abandonam a responsabilidade pelo âmbito reprodutivo, mesmo se, em muitos casos, de forma transnacional, mediante o envio de remessas. Elas assumem, em corpo e alma, o compromisso pelo bem estar – leia-se desenvolvimento humano - não apenas de seus familiares, mas também daqueles de quem cuidam, sobretudo quando envolvidas no âmbito produtivo em trabalhos de cuidado doméstico, enfermagem ou de cuidadoras de crianças. Mas quem cuida do bem estar dessas mulheres migrantes e refugiadas? Qual é o preço que elas pagam para cuidar dos outros? Em outros termos, a pergunta não é apenas se a mulher migrante contribui para o desenvolvimento, mas também se o processo contemporâneo de desenvolvimento contribui para o bem estar - ou desenvolvimento humano – da mulher migrante e refugiada.

Clique aqui para ler o artigo completo 

NOTÍCIAS

Tragedia Canale di Sicilia - Comunicato Stampa

COMPARTILHE

L’ultima ed ennesima tragedia del mare avvenuta [il 9 febbraio 2015, ndr] nel Canale di Sicilia, che si aggrava di ora in ora, mostra impietosamente come l’Europa, fortezza sempre più sgretolata, da un lato si faccia paladina di diritti umani fondamentali, quindi anche nei confronti di migranti e rifugiati, ma dall’altro lato non contribuisca efficacemente all’apertura di canali legali di migrazione, così come varie voci gridano ormai da troppo tempo.

Leia mais...

Líbano começa a controlar entrada de refugiados da guerra síria

COMPARTILHE

 Com seu sensível equilíbrio sectário pressionado por mais de 1 milhão de refugiados da guerra civil síria, o Líbano começou a impor nesta segunda-feira (5) restrições sem precedentes contra a entrada de cidadãos do país vizinho.

Leia mais...
REDES SOCIAIS

Conheça nossos canais dentro das redes sociais, participe, interaja, queremos ouvir você.

facebook  twitter

Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook