A- A A+

Sistema de Refúgio brasileiro

Sistema de Refúgio brasileiro: Desafios e perspectivas

Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE)

Nos últimos cinco anos, as solicitações de refúgio no Brasil cresceram 2.868%. Passaram de 966, em 2010, para 28.670, em 2015. Até 2010, haviam sido reconhecidos 3.904 refugiados. Em abril deste ano, o total chegou 8.863, o que representa aumento de 127% no acumulado de refugiados reconhecidos – incluindo reassentados. Estes dados constam do relatório divulgado pelo Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE), órgão ligado ao Ministério da Justiça. O relatório traz ainda as ações do governo federal para colaborar com o arrefecimento dos efeitos da maior crise humanitária vivida desde a 2ª Guerra Mundial. O relatório mostra que os sírios são a maior comunidade de refugiados reconhecidos no Brasil. Eles somam 2.298, seguidos dos angolanos (1.420), colombianos (1.100), congoleses (968) e palestinos (376). Ao todo são 79 nacionalidades.

Clique aqui para acessar o documento completo

 

NOTÍCIAS

ONU debe proteger a mujeres migrantes en EU: Mancera

COMPARTILHE

Miguel Ángel Mancera Espinosa, Jefe de Gobierno de la Ciudad de México, hizo un llamado a la Organización de las Naciones Unidas (ONU) para que evitar la violencia contra los migrantes que se genera en Estados Unidos, por parte del presidente Trump.

Leia mais...

Migration Dialogue: From the Horn to South Africa

COMPARTILHE

 IOM Tanzania this week convened a three-day “Migration Dialogue” conference to respond to the ever-evolving and complex dynamics of migration flows from the Horn of Africa, through Kenya and Tanzania to South Africa.

Leia mais...
REDES SOCIAIS

Conheça nossos canais dentro das redes sociais, participe, interaja, queremos ouvir você.

facebook  twitter

Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook