A- A A+

Imigrantes representam maior ameaça para russos, aponta pesquisa

Segundo Centro de Pesquisas de Opinião Pública, os imigrantes assustam os nativos russos mais do que o terrorismo, a escassez de reservas de óleo e gás, a baixa taxa de nascimentos e os problemas ecológicos.

Os russos enxergam o estabelecimento de pessoas de outras nacionalidades no país como a maior ameaça interna, de acordo com pesquisa realizada pelo Centro de Pesquisas de Opinião Pública (VTSIOM, na sigla em russo).

Essa é a opinião de 35% das pessoas interrogadas. Segundo a pesquisa, os imigrantes assustam os nativos russos mais do que o terrorismo, a escassez de reservas de óleo e gás, a baixa taxa de nascimentos e os problemas ecológicos.

Em segundo lugar ficou o declínio da cultura, da ciência e da educação formal (33%). Em terceiro, as catástrofes ecológicas e os atos terroristas, com 28%. Cada quatro pessoas interrogadas (25%) temem acima de tudo a possível diminuição dos depósitos de óleo e gás natural e a cisão das elites governantes. Já 23% dos russos mencionaram a baixa taxa de nascimentos como ameaça principal.

“A maioria dos interrogados acredita que os imigrantes não querem respeitar os costumes e normas de comportamento [do país que os acolhe]. Perto de um terço indicou que os imigrantes não são capazes de manter um determinado nível mínimo de cultura aceito em nossa sociedade”, explica o líder da administração dos estudos, Stefan Lvov.

Pesquisa semelhante feita em fevereiro apontou a crise econômica e financeira como a ameaça principal para o país (46%). Os russos citaram como ameaças principais também a perda de valores morais (33%) e os conflitos internacionais (28%).

O fator “conflitos políticos externos” era o que menos assustava na ocasião: a participação do país no conflito entre os EUA e os países muçulmanos alcançava 18% e o aumento da dependência política dos EUA, 12%. Na política doméstica, a falta de autoridade e o caos político preocupava 17%, a desintegração do Estado, 11%, a tomada do poder por uma ditadura, 9%, e retorno ao sistema soviético, 4%.

Vale lembrar que, de acordo com os resultados de pesquisa análoga do VTSIOM em 2005, os problemas que mais assustavam os russos eram a possível cisão da Rússia em diversos Estados independentes e um revolução acompanhada por uma guerra civil (hoje somente 9% e 10%, respectivamente, acreditam nessa possibilidade).

Fonte: Gazeta Russa - 29.07.2013

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

AMERICA/BRASILE - “Gioca per la Vita”: campagna contro la tratta di persone in vista dei mondiali di calcio

COMPARTILHE

Circa 150 religiosi del Brasile, insieme a rappresentanti di Germania, Colombia , Bolivia e Uruguay, hanno lanciato a Brasilia , la campagna "Gioca per la vita", per sensibilizzare la società sul problema della tratta di esseri umani in occasione di grandi eventi come il prossimo campionato mondiale di calcio.

Leia mais...

Elaboran guías de apoyo para migrantes LGBTI en Ciudad de México

COMPARTILHE

Con la finalidad de brindar información a la población migrante en la ciudad de México, sobretodo la perteneciente a la comunidad lésbico, gay, bisexual, transexual, travesti, transgénero e intersexual, en materia de derechos como acceso al trabajo o a la salud, Fundación Arcoíris por el respeto a la diversidad sexual, con apoyo de la Secretaría de Desarrollo Rural y Equidad para las Comunidad capitalina, elaboró dos guías de apoyo para personas en situación de movilidad.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook