A- A A+

Fluxo de refugiados no Amazonas diminui e Acnur fecha escritório em Manaus

Representantes do Alto Comissariado das Nações Unidas para Refugiados (Acnur) estiveram reunidos, na sexta-feira (14), com o defensor público-chefe da Defensoria Pública da União (DPU) no Amazonas, Edilson Santana Gonçalves Filho, para comunicar o fechamento do escritório em Manaus, uma vez que o órgão é um dos principais parceiros da agência na assistência aos refugiados.

De acordo com o representante do Acnur no Brasil, Andrés Ramirez, o oficial de proteção, Gabriel Godoy, e a assessora de proteção, Isabela Mazão, houve queda no número de solicitações de refúgio no estado. “Apesar de ainda existir grande imigração no Amazonas, o fluxo de refugiados tem diminuído, enquanto na Região Sudeste tem aumentado consideravelmente”, esclareceu Andrés Ramirez.

De acordo com informações ainda não consolidadas do Acnur, apenas no ano passado, aproximadamente cinco mil pessoas solicitaram refúgio no Brasil, a maior parte em São Paulo e no Rio de Janeiro. No mesmo período, no Amazonas, houve 60 pedidos de refúgio.

A assessora de proteção do Acnur, ex-chefe do escritório em Manaus, Isabela Mazão, informou que uma assistente social da agência continuará fazendo atendimentos aos refugiados e solicitantes de refúgio na sede da Arquidiocese de Manaus, no centro da capital. Isabela continuará sendo o contato de apoio da DPU no Amazonas, agora no escritório do Alto Comissariado em Brasília (DF).

O acordo de cooperação técnica entre a DPU no Amazonas e o Acnur, celebrado em outubro de 2012, continua vigente em Manaus. Dessa forma, além dos treinamentos conjuntos planejados para este ano, as entrevistas de elegibilidade de solicitantes de refúgio por servidores capacitados da unidade no Amazonas seguem normalmente.

O Acnur estava presente no Amazonas desde 2005, com apenas um funcionário na representação da agência. Em 2007, transformou-se em unidade de campo, passando a escritório com uma equipe de trabalho.

Fonte: Âmbito Jurídico - 18.02.2014

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Apatridia: Jovem mãe na Geórgia quebra ciclo de sofrimento

COMPARTILHE

 Olga Khutsishvili, 19 anos, tem memórias ruins de sua infância na Geórgia, crescendo na pobreza e sem acesso à educação e outros direitos. “Eu não sabia ler nem escrever, e todos riam de mim. Não consigo pensar nesses anos sem chorar”, contou ela ao ACNUR. Olga mora na vila de Dzegvi com sua mãe e seu filho.

Leia mais...

ACNUR está preocupado com entrega de alimentos para refugiados no Sudão do Sul

COMPARTILHE

 A agência de refugiados da ONU afirmou que está profundamente preocupada com o risco da população do Sudão do Sul, incluindo refugiados no estado do Alto Nilo, pois as condições impedem que o ACNUR e seus parceiros entreguem alimentos para a região.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook