A- A A+

Relatório do ACNUR mostra aumento do deslocamento forçado no primeiro semestre de 2014

GENEBRA,(ACNUR) – Relatório do ACNUR lançado hoje mostra que as guerras no Oriente Médio, África e em outra partes do mundo provocaram o deslocamento de aproximadamente 5,5 milhões de pessoas no primeiro semestre de 2014. O dado indica uma elevação significativa do deslocamento forçado para o período em relação aos anos anteriores.

Lançado globalmente hoje, o relatório "Mid-Year Trends 2014" revela que dos 5,5 milhões de novos deslocados, 1,4 milhão cruzaram fronteiras internacionais e tornaram-se refugiados, enquanto os outros estão deslocados internamente em seus países. Considerando as populações anteriormente deslocadas, as atualizações de dados, retornos voluntários e reassentamento, o número de pessoas ajudadas pelo ACNUR era 46,3 milhões até metade do ano passado – aproximadamente 3,4 milhões a mais do que o final de 2013 e um recorde.

Uma das principais descobertas do relatório é que, pela primeira vez, os sírios se tornaram a maior população de refugiados sob o mandato do ACNUR, ultrapassando assim a população afegã, que foi a maior durante mais de três décadas (palestinos no Oriente Médio estão sob os cuidados da Agência das Nações Unidas de Assistência aos Refugiados da Palestina (UNRWA, na sigla em inglês). Com mais de 3 milhões de pessoas deslocadas até junho de 2014, os sírios representam 23% do total de refugiados atendidos pelo ACNUR no mundo todo.

Apesar de ocupar agora o segundo lugar, os 2,9 milhões de refugiados afegãos ainda constituem a maior população em situação prolongada de refúgio sob os cuidados do ACNUR (a agência define “situação prolongada de refúgio” aquela que existe há pelo menos cinco anos). Depois de Síria e Afeganistão, os principais países de origem de refugiados são Somália (1,1 milhão), Sudão (670 mil), Sudão do Sul (509 mil), República Democrática do Congo (493 mil), Myanmar (480 mil) e Iraque (426 mil).

Paquistão, que abriga 1,6 milhão de refugiados afegãos, mantem-se como o maior país de acolhida em números absolutos. Outros países com grandes populações de refugiados são Líbano (1,1 milhão), Irã (982 mil), Turquia (824 mil), Jordânia (737 mil), Etiópia (588 mil), Quênia (537 mil) e Chade (455 mil).

O relatório do ACNUR contextualiza as contribuições dos países de acolhida comparando o número de refugiados ao tamanho da população ou à economia do país. De acordo com o tamanho de suas populações, Líbano e Jordânia abrigam o maior número de refugiados, enquanto em relação à economia, o empenho da Etiópia e do Paquistão com refugiados é maior.

Ao todo, o número de refugiados sob o mandato do ACNUR chegou a 13 milhões na metade do ano passado, o maior número desde 1996, enquanto o número de deslocados internos protegidos ou assistidos pela agência atingiu novo recorde de 26 milhões. Como o ACNUR fornece ajuda para deslocados internos apenas em países onde os governos solicitam o envolvimento da agência, esse número não inclui todos os deslocados internos ao redor do mundo.

“Em 2014, nós vimos o número de pessoas sob os nossos cuidados crescer de uma forma sem precedentes. Enquanto a comunidade internacional não achar soluções para os conflitos existentes e para prevenir os que estão começando, vamos ter de continuar a lidar com as consequências humanitárias”, disse o Alto Comissário das Nações Unidas para Refugiados António Guterres.

“Os custos econômicos, sociais e humanitários de cuidar de refugiados e deslocados internos estão sendo pagos, principalmente, por comunidades pobres, aquelas que são menos capazes de arcar com eles. Aumentar a solidariedade internacional deve ser prioridade se quisermos evitar o risco de mais pessoas vulneráveis sem o apoio adequado”, afirmou Guterres.

Outra grande descoberta do relatório é a mudança na distribuição regional de refugiados. Até 2013, as regiões que abrigavam a maior população de refugiados eram a Ásia e o Pacífico. Como resultado da crise na Síria, o Oriente Médio e o Norte da África se tornaram em 2014 as regiões com o maior número de refugiados.

O relatório do ACNUR “Mid-Year Trends 2014” é baseado em dados fornecidos por Governos e pelos escritórios da agência ao redor do mundo. Como as informações disponíveis para o ACNUR no momento são incompletas, o relatório não mostra o total global de deslocamento forçado. Esses últimos são apresentados em junho de cada ano no relatório anual do ACNUR intitulado “Tendências Globais”, que ao final de 2013 constatou que 51,2 milhões de pessoas foram deslocadas no mundo todo. No entanto, o dado apresentado no relatório divulgado hoje é um grande componente do total global e um importante indicador de tendências mundiais em relação a refugiados e deslocamento forçado.

O relatório completo (em inglês) pode ser acessado em unhcr.org/54aa91d89.html 

Fonte: ACNUR  - 07.01.2015

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

"Accordi segreti sui rimpatri, così l’Italia viola i diritti umani"

COMPARTILHE

La denuncia del Tavolo Asilo dopo l’intesa con Khartoum e il rimpatrio di 48 sudanesi. Asgi: “Totalmente illegittimo”. Arci: “Impediscono alle persone di salvarsi”. Amnesty: “Come mandare ebrei nella Germania nazista”

Leia mais...

A Colonia la polizia che ci stava a fare? Intervista a Maurizio Ambrosini

COMPARTILHE

Cento donne aggredite da gruppi di immigrati a Colonia. Forze dell’ordine inattive: eppure c’erano 75 agenti.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook