A- A A+

Imigrantes e ONGs reagem a bloqueio judicial às medidas de Obama

Imigrantes em situação irregular, organizações de defesa dos direitos civis e líderes políticos se uniram, nesta quarta-feira, em diferentes cidades americanas para rejeitar a decisão judicial que bloqueou decretos pró-migração sancionados pelo presidente Barack Obama.

A Aliança para a Cidadania anunciou mais de 75 atos em cerca de 20 cidades do país, entre eles Nova York, Los Angeles, Boston, Chicago e Miami.

Os protestos se estendem até domingo e têm como objetivo "apoiar e defender" as medidas de Obama para evitar a deportação de um contingente estimado entre quatro e cinco milhões de pessoas. Chega a 11 milhões o total de imigrantes que vivem hoje, de forma ilegal, nos Estados Unidos.

"Isso não é um jogo. Estas são nossas vidas e nosso futuro", disse o mexicano Francisco Curiel, de 22 anos, que vive em Nova York desde 2007.

O jovem participava de um ato organizado nesta quarta pela ONG nova-iorquina Coalizão para a Imigração, um dia depois que o juiz federal Andrew Hanen, do Texas, acolheu a ação apresentada por 26 governadores republicanos.

O diretor-executivo da organização nova-iorquina, Steve Choi, garantiu que o bloqueio das medidas de Obama "é apenas uma negação, um adiamento, e não uma derrota".

"Temos plena confiança. Continuaremos informando nossos imigrantes nova-iorquinos de seus direitos e vamos informá-los quando a sentença for revertida", prometeu.

Entre os presentes na manifestação, estava o senador do estado de Nova York Adriano Espaillat. Ele denunciou que o objetivo da ação dos governadores republicanos é "prejudicar as famílias que querem se unir".

"Estamos aqui para apoiar o presidente Obama. Vamos apoiar a apelação da Casa Branca e não vamos deixar as ruas em apoio às milhares de famílias que serão beneficiadas", advertiu.

O Serviço de Imigração e Cidadania (USCIS, que responde ao Departamento de Segurança Interna) deveria começar nesta quarta a receber e processar os pedidos de regularização do status dos imigrantes. O secretário de Segurança Interna, Jeh Johnson, anunciou a suspensão, "até nova ordem", da aceitação dos pedidos.

A Casa Branca disse que tentará reverter o quadro, apelando da decisão.

Os estados e juízes responsáveis pela demanda ao juiz Hanen consideram que, ao assinar ordens executivas sobre a questão migratória, Obama violou a Constituição. Estas ações, segundo os Estados, "provocarão danos dramáticos e irreparáveis".

Obama anunciou em novembro um pacote de medidas para regularizar a situação de milhões de imigrantes, por considerar que o Congresso americano se mostrou incapaz de aprovar uma reforma migratória completa.

Em 2013, o Senado aprovou um ambicioso projeto de reforma migratória, bloqueado na Câmara dos Representantes. Com a oposição republicana agora no controle das duas câmaras do Congresso, o projeto é considerado morto.

Fonte: Isto é Dinheiro - 18.02.15

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Germania, boom di immigrati nel 2013. Italiani al terzo posto dopo polacchi e romeni

COMPARTILHE

 È l'effetto crisi dei debiti sovrani sulla Grecia, Irlanda, Portogallo, Spagna e Cipro. Il 2013 ha fatto registrare in Germania un boom di immigrati, che con un totale di 400mila arrivi hanno toccato un limite che non si era più registrato negli ultimi venti anni.

Leia mais...

Denuncian el maltrato a niños migrantes

COMPARTILHE

Investigación de la Universidad de California

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook