A- A A+

Imigrantes e ONGs reagem a bloqueio judicial às medidas de Obama

Imigrantes em situação irregular, organizações de defesa dos direitos civis e líderes políticos se uniram, nesta quarta-feira, em diferentes cidades americanas para rejeitar a decisão judicial que bloqueou decretos pró-migração sancionados pelo presidente Barack Obama.

A Aliança para a Cidadania anunciou mais de 75 atos em cerca de 20 cidades do país, entre eles Nova York, Los Angeles, Boston, Chicago e Miami.

Os protestos se estendem até domingo e têm como objetivo "apoiar e defender" as medidas de Obama para evitar a deportação de um contingente estimado entre quatro e cinco milhões de pessoas. Chega a 11 milhões o total de imigrantes que vivem hoje, de forma ilegal, nos Estados Unidos.

"Isso não é um jogo. Estas são nossas vidas e nosso futuro", disse o mexicano Francisco Curiel, de 22 anos, que vive em Nova York desde 2007.

O jovem participava de um ato organizado nesta quarta pela ONG nova-iorquina Coalizão para a Imigração, um dia depois que o juiz federal Andrew Hanen, do Texas, acolheu a ação apresentada por 26 governadores republicanos.

O diretor-executivo da organização nova-iorquina, Steve Choi, garantiu que o bloqueio das medidas de Obama "é apenas uma negação, um adiamento, e não uma derrota".

"Temos plena confiança. Continuaremos informando nossos imigrantes nova-iorquinos de seus direitos e vamos informá-los quando a sentença for revertida", prometeu.

Entre os presentes na manifestação, estava o senador do estado de Nova York Adriano Espaillat. Ele denunciou que o objetivo da ação dos governadores republicanos é "prejudicar as famílias que querem se unir".

"Estamos aqui para apoiar o presidente Obama. Vamos apoiar a apelação da Casa Branca e não vamos deixar as ruas em apoio às milhares de famílias que serão beneficiadas", advertiu.

O Serviço de Imigração e Cidadania (USCIS, que responde ao Departamento de Segurança Interna) deveria começar nesta quarta a receber e processar os pedidos de regularização do status dos imigrantes. O secretário de Segurança Interna, Jeh Johnson, anunciou a suspensão, "até nova ordem", da aceitação dos pedidos.

A Casa Branca disse que tentará reverter o quadro, apelando da decisão.

Os estados e juízes responsáveis pela demanda ao juiz Hanen consideram que, ao assinar ordens executivas sobre a questão migratória, Obama violou a Constituição. Estas ações, segundo os Estados, "provocarão danos dramáticos e irreparáveis".

Obama anunciou em novembro um pacote de medidas para regularizar a situação de milhões de imigrantes, por considerar que o Congresso americano se mostrou incapaz de aprovar uma reforma migratória completa.

Em 2013, o Senado aprovou um ambicioso projeto de reforma migratória, bloqueado na Câmara dos Representantes. Com a oposição republicana agora no controle das duas câmaras do Congresso, o projeto é considerado morto.

Fonte: Isto é Dinheiro - 18.02.15

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Religiosos de América Latina preocupados por el tráfico de seres humanos

COMPARTILHE

 El tráfico de seres humanos: un nuevo areópago donde la vida grita, interpela y desafía a la Vida Consagrada” es el tema de la mesa-redonda que se llevará a cabo durante el Congreso de la Vida Consagrada, que se realizará en Bogotá, Colombia, del 18 al 21 de junio. E

Leia mais...

Somali, sudanesi e maliani: quei migranti intrappolati nel limbo

COMPARTILHE

Espulsi formalmente dall’Italia, resteranno in Europa da clandestini

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook