A- A A+

Mais de 637 mil latino-americanos deixaram a Espanha nos últimos cinco anos

Entre 2010 e 2015, mais de um milhão de estrangeiros, entre os quais 637 mil eram latino-americanos, deixaram a Espanha perante a falta de oportunidades trabalhistas e optaram por retornar a seus países ou se estabelecer em outros na busca de um futuro melhor.

Um de cada cinco estrangeiros com residência legal na Espanha foram embora em meia década (1.018.090, 18% dos que havia), em um período marcado pela crise e no qual 306.660 espanhóis também saíram do país perante a impossibilidade de encontrar um trabalho de acordo com sua formação ou simplesmente um emprego.

"A evolução da população vai pelas mãos da economia", já que quando esta piora, as pessoas têm que ir embora e quando melhora, elas voltam, explicou à Agência Efe a professora de Geografia Humana na Universidade de Navarra Dolores López.

A Espanha sofreu nestes anos de crise uma queda de habitantes, com fatores como o êxodo de estrangeiros e nacionais; o envelhecimento da população - a cada ano morrem cerca de 400 mil pessoas - e a baixa natalidade, o que também repercute na saída de estrangeiros dado que suas taxas são mais altas.

"Se a Espanha é destino migratório quando sua economia vai bem, é lógico que deixe de ser quando vai mal", acrescentou López, que não quer ser pessimista já que, na sua opinião, uma melhora da situação ajudaria tanto a volta dos espanhóis que foram embora como uma nova remessa de imigrantes.

A nacionalidade mais afetada foi a equatoriana com a saída de 223.189 pessoas, mais da metade dos que havia em 2010, até ficar em 176 mil na Espanha.

São vários os colombianos que também deixaram o país para buscar sorte em outro lugar, 141.383, enquanto 151.258 ficaram.

Também fizeram a mala grande parte dos bolivianos que residiam na Espanha em 2010, ano desde o qual 86.794 pessoas foram embora e cuja população se reduziu a 126.375.

Além disso, deixaram a Espanha 56.936 argentinos (75.313 residem ainda neste país); 43.945 brasileiros (73.863); 16.236 paraguaios (69.451) e 15.897 dominicanos (75.315).

EFE

Fonte: Notícias Terra - 01.02.2016

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Le Grip cree que "no hay suficiente seguridad" para las mujeres en los campos de refugiados

COMPARTILHE

 Las mujeres refugiadas y los menores no acompañados que necesitan protección internacional están aún más expuestos que los hombres a peligros como la trata de seres humanos o la explotación sexual, asegura la popular francesa Constance Le Grip en una entrevista. La eurodiputada, que lideró una misión parlamentaria a varios campos de refugiados de Grecia, cree que “no hay suficiente seguridad”.

Leia mais...

Migranti: da asilo ad accoglienza, ecco le "parole che valgono"

COMPARTILHE

Al via la campagna di Treccani e Croce rossa per il linguaggio corretto. 5 i termini scelti. Rocca: “Società condizionata da slogan decontestualizzati”. Bray: “Messaggio di solidarietà”.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook