A- A A+

Como acontece o tráfico de mulheres na Amazônia?

 Antropóloga alerta sobre o tráfico de mulheres na Amazônia e fala das vertentes sobre como ele se dá

No Dia Internacional da Mulher, o programa Amazônia Brasileira trouxe um assunto importante e muito sério que afeta muitas mulheres no mundo, no Brasil e na Amazônia: o tráfico de mulheres.

Segundo dados da Secretaria de Estado de Justiça e Direitos Humanos do Amazonas (Sejus), houve um crescimento de 106,2%, no número de denúncias de tráfico de pessoas, no Amazonas, entre os anos de 2011 e 2013, e as mulheres representaram 66,6% das vítimas.
 
Em entrevista ao Amazônia Brasileira desta terça-feira (8), a doutora em Ciências Sociais e Antropologia, professora de Antropologia da Universidade Federal do Amazonas (UFAM) e uma das escritoras da obra “Tráfico de Mulheres na Amazônia”, Iraildes Caldas, falou sobre o tráfico de mulheres na Amazônia.
 
A professora fala sobre a construção histórica da imagem menosprezada da mulher amazônida: “Estamos diante de um tema que é aqui na Amazônia, muito caro para nós que estamos a frente dessa luta. Eu estou durante quase três décadas fazendo estudos na área de fronteira e na área indígena com mulheres e as minhas pesquisas tem demonstrado que cresceu o número de tráfico de mulheres, especialmente, na Amazônia pela discriminação de gênero, que é o aspecto étnico", comenta. 
 
Ela esclarece que as mulheres amazônicas são tidas, no imaginário europeu e no imaginário brasileiro, como uma mulher exótica, bela e lasciva. A escritora explica que foi construída, historicamente, uma imagem depreciativa dessa mulher. 
 
Segundo Iraildes Caldas, acredita que o exotismo em relação as mulheres que está no imaginário das pessoas, que introduzem as mulheres amazônidas no tráfico de mulheres: “são moças que são pobres, algumas indígenas, outras de classe média, que estão fazendo universidade, então a questão do tráfico não é uma questão de pobreza, é uma questão do patriarcado mundial. No nosso caso, a questão indígena e étnica vem se posicionar dentro desse patriarcado. Aqui, nós temos uma ideia de que do século XVIII para cá, se construiu uma imagem da índia que se oferece", conta. 
 
Outra questão que se aloja com esta, contada por Iraildes Caldas, é que, a partir do século IX, começaram a acontecer doações de moças, para as famílias abastadas de Manaus: “famílias iam para o interior, até a área ribeirinha, conversavam com a família da moça, se tornavam padrinhos e madrinhas ao fazerem a passagem pela fogueira, um costume da região, e levavam as moças para a cidade,com o propósito de que ela teria uma vida melhor na cidade grande. Na verdade, essa moça seria explorada, tanto do ponto de vista servil quanto do ponto de vista sexual”, diz. 
 
A professora explica que na Amazônia, essa ideia étnica, da índia lasciva, faz com que a sociedade, enxergue o tráfico como uma coisa natural.
 
De acordo com Iraildes Caldas, existe uma rede sofisticada de tráfico humano, com pessoas importante. "Aqui nós conseguimos denunciar e fazer com que a Justiça levasse a prisão um prefeito que fazia abuso sexual de meninas, conforme a idade", comenta.
 
"Descobrimos vertentes, em três cidades, que promovem, abertamente, dentro de barcos, orgias sexuais com meninas. As pessoas que estão nela são pessoas que vem de fora, havendo uma proliferação desse tipo de negócio e de uma forma fácil”, conta. 

A escritora comenta sobre a tríplice fronteira, Brasil, Peru e Colômbia: “Acabei de voltar da tríplice fronteira e lá temos uma rede de enfrentamento com organismos da sociedade. Detectamos o rapto de índias e nada acontece”, explica. 
 
Iraildes Caldas relata a dificuldade de se sair desse mundo, geralmente as moças precisam fugir:  “Resgatamos uma moça, que foi vendida pelo avô. Ela estava na Itália e conseguiu fugir do tráfico. Temos casos onde moças são ajudadas por clientes dos bordéis. E geralmente, não saem com facilidade, precisam fugir. Quando chegam ao Brasil e procuram os serviços de saúde, normalmente, são encaminhadas para os serviços de proteção, só assim, conseguimos fazer um trabalho de atendimento psicológico”, comenta. 
 
A dica que a professora dá, de acordo com uma política de enfrentamento ao tráfico de mulheres, para que isso seja visualizado pela sociedade, é que as pessoas denunciem o tráfico humano.
 
" É uma questão que ninguém quer se comprometer, uma pesquisa e uma investigação nesse assunto, envolve um risco físico para o pesquisador. ”, explica. 
 
Ouça a entrevista na íntegra no player acima e saiba mais sobre o tráfico de mulheres na Amazônia.
 
O programa Amazônia Brasileira vai ao ar de segunda a sexta, às 8h, na Rádio Nacional da Amazônia, e às 6h, na Rádio Nacional do Alto Solimões (horário local).

A apresentação é de Sula Sevillis e a produção-executiva, de Taiana Borges.

Fonte: Agência Brasil EBC - 08.03.2016

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Papa chiede perdono per l'indifferenza verso i migranti

COMPARTILHE

Papa Francesco a Lampedusa chiede “perdono per l’indifferenza verso tanti fratelli e sorelle”, “perdono per chi si è accomodato, si è chiuso nel proprio benessere che porta all’anestesia del cuore”, per “coloro che con le loro decisioni a livello mondiale hanno creato situazioni che conducono a questi drammi”.

Leia mais...

Thousands flee crisis-hit Sudan in ‘brain drain’

COMPARTILHE

Outflow coincides with a worsening economy since South Sudan separated nearly two years ago

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook