A- A A+

Com apoio da ONU, refugiados iniciam curso do SEBRAE para abrir empresas no Brasil

Mais de 230 refugiados se inscreveram no curso “Refugiado Empreendedor”, projeto organizado pelo SEBRAE em parceria do Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE) e apoiado pela Agência das Nações Unidas para os Refugiados (ACNUR).

Cristiano Botero, colombiano de 39 anos, era o proprietário de uma empresa exportadora de madeira quando foi forçado a deixar seu país com a família para o Brasil, em 2013, devido à ação de grupos armados na Colômbia. Em São Paulo, Botero dá aulas de inglês e faz curso de marcenaria e tapeçaria no Serviço Nacional de Aprendizagem Industrial (SENAI), onde sua mulher vai às aulas de desenho de interiores.

Na noite de terça-feira (26), Botero assistiu à aula inaugural do “Refugiado Empreendedor”, projeto organizado pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas (SEBRAE) em parceria com o Comitê Nacional para os Refugiados (CONARE) e apoiado pela Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR). Outros 239 refugiados se inscreveram no curso.

“Minha empresa e o maquinário ficaram lá na Colômbia. Estamos agora aprendendo do nada, costurando estofados e criando móveis de madeira, para abrir uma nova empresa no Brasil”, afirmou Botero, pai de três crianças, que mantêm graças ao ensino particular de inglês.

O projeto Refugiado Empreendedor tem o objetivo de capacitar os refugiados para a abertura e a administração de suas próprias empresas no Brasil. Para parte dos refugiados, especialmente em São Paulo, a busca por um emprego não é o caminho definitivo para a inserção econômica. Trata-se de uma opção temporária, válida até o momento de dar vazão à sua vocação empresarial.

O casal refugiado sírio Hoda Al-Daia e Maher Hamouda, por exemplo, se desdobra há dois anos e dois meses entre várias atividades para educar os três filhos e cumprir com as despesas de casa. Os dois mantêm uma barraca de pratos árabes em uma feira de refugiados no bairro do Brás, montada nos fins de semana. Mas ela ainda atende como cabelereira em casa, enquanto Hamouda trabalha durante a semana como pintor de paredes. Os dois se inscreveram no curso de empreendedorismo.

“Como já trabalhamos com comida, acho que será inevitável abrirmos um pequeno restaurante. Queremos seguir este curso para saber exatamente como abrir e como manter um negócio. Há muitas regras e normas que não conhecemos”, afirmou Hoda Al-Daia, de 32 anos.

A primeira etapa do curso Refugiado Empreendedor, com dois módulos, será realizada pela Internet até 21 de maio. Os 240 refugiados e solicitantes de refúgio inscritos poderão acompanhar as aulas – em português, francês e inglês – no portal Ensino à Distância (EAD) do SEBRAE.  Para facilitar o acesso aos módulos, foi distribuída uma cartilha impressa durante a aula inaugural.

A segunda etapa será presencial e mais seletiva: poderão cursar apenas os refugiados com mais de um ano no país, com conhecimento de português básico, que concluíram o primeiro ciclo no prazo e que já possuam o Cadastro de Pessoa Física (CPF), da Receita Federal do Brasil. Nessa fase, que começa em 24 de maio, serão abordados temas mais específicos. O SEBRAE colocará à disposição uma terceira etapa, no segundo semestre deste ano, com palestras e oficinas sobre a formalização do negócio e o acesso ao microcrédito.

“Empreender é uma tarefa desafiadora. Quando procurou o SEBRAE para montar este projeto, o CONARE mostrou-se interessado em adotar políticas públicas para capacitar o refugiado a empreender”, afirmou Nelson Hervey, gerente de Políticas Públicas e Relações Institucionais do SEBRAE-SP.

“Vocês podem buscar a alternativa do emprego, mas estão aqui porque querem a do autonegócio”, completou, para em seguida explicar os limites e requisitos para o registro do Microempreendedor Individual (MEI), o modelo da mais modesta empresa formal no país, para a pessoa que trabalha por conta própria.

Para Vinícius Feitosa, assistente de proteção da unidade do ACNUR em São Paulo, o empreendedorismo pode ser visto, no caso dos refugiados, como uma chance para uma pessoa que foge da perseguição ou do conflito em seu país de origem de recomeçar a vida. “Ao empreender, o refugiado contribui tanto para sua autossuficiência quanto para a sociedade em que está inserido. É uma forma de valorizar o capital humano”, disse Feitosa, ao ressaltar a resiliência como ponto central na trajetória de vida dessas pessoas.

Segundo Juliana Mee, da Assessoria Internacional do SEBRAE Nacional, os refugiados empreendedores não são obrigados a formalizar seu negócio. Mas o papel do SEBRAE, ressaltou, é oferecer a formação adequada para a escolha de cada refugiado.

“Eu quero abrir uma empresa de montagem de andaimes para construções”, afirmou Maduabuchi Prince Uda, refugiado nigeriano de 25 anos, que comentou ter sido essa sua atividade na Nigéria.  Prince Uda, que vive na capital paulista há dois anos, trabalha atualmente no setor de limpeza de um hospital e faz cursos de português, idioma que ainda não domina.

Parte dos inscritos para o curso ainda não tem uma ideia precisa sobre seu futuro negócio e busca nas aulas orientação sobre setores e mercados mais interessantes para suas condições, além das noções de administração.

Nathalie Kankolongo, de 35 anos, proveniente da República Democrática do Congo (RDC), pensa em abrir uma loja, mas não sabe quais produtos vender. Rolly Iyvaleke, de 30 anos, estudava Medicina na RDC e agora, como refugiado, trabalha em serviços de limpeza. “Queria abrir um negócio relacionado à área de Saúde”, disse.

José Pele Messa, angolano de 45 anos, era jornalista e apresentador de programa de notícias em um canal de televisão e se refugiou no Brasil por razões políticas. Orgulhoso de seu segundo nome, uma homenagem ao craque do futebol Pelé, Messa ainda não sabe em que tipo de negócio apostar, mas já se preocupa com seu acesso às fontes de financiamento. Atualmente, ele trabalha em um supermercado.

Fonte: https://nacoesunidas.org  - 02.05.2016

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Fiscalía de migrantes detiene a ex funcionarios por trata de personas

COMPARTILHE

 TAPACHULA, Chiapas, 6 de enero de 2016.-Efectivos de la Fiscalía Especializa en Delitos Cometidos Contra Migrantes, detuvieron este miércoles al ex director de Residuos Sólidos Municipales, Juan Ramón Macario del Rosario y Leobardo Pérez Sandoval por el delito de trata, perpetrado en perjuicio de decenas de indígenas de Guatemala en el basurero municipal de esta localidad.

Leia mais...

Voto agli immigrati e riforma della cittadinanza. "Italiani più aperti della politica"

COMPARTILHE

Indagine LaST: l’84,2% farebbe votare gli immigrati alle elezioni locali e solo il 12,3% sostiene lo ius sanguinis. Marini (Univ. di Padova): “Orientamenti della popolazione più positivi di quanto non traspaia nel dibattito pubblico”

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook