A- A A+

Museu do Amanhã vai abordar crise de refugiados em programação para 2017

Desafios de pessoas que fogem da guerra e violações dos direitos humanos serão tema de eventos do centro cultural, que firmou parceria com a Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) para abordar crise de refugiados em sua programação.

A Agência da ONU para Refugiados (ACNUR) no Brasil firmou em outubro (27) uma parceria com o Museu do Amanhã, centro cultural da zona portuária do Rio, para colocar a pauta dos deslocados forçados na agenda da instituição em 2017. Exposições, seminários e debates vão abordar os desafios de refugiados.

“O Museu do Amanhã é um museu único no mundo, um lugar onde podemos refletir sobre quais são as consequências dos nossos atos e sobre a realidade das pessoas que foram forçadas a deixar as suas casas contra sua própria escolha”, afirmou a representante do ACNUR no Brasil, Isabel Marquez, logo após visita guiada ao centro cultural com os responsáveis pela programação e curadoria.

A primeira iniciativa conjunta do organismo das Nações Unidas e do Museu foi um seminário em junho, por ocasião do Dia Mundial do Refugiado. O evento levou para o público carioca a experiência de diferentes pessoas refugiadas e abordou temas como moradia, discriminação, educação e integração ao Brasil. No país, já são mais de 9 mil estrangeiros reconhecidos pelas autoridades como refugiados.

“Essa agenda dos refugiados trazida para o Museu do Amanhã talvez tenha sido a mais emocionante pela reação dos próprios refugiados, da troca que aconteceu e do aprendizado que recebemos deles. Gostaríamos de levar esta mensagem para frente em todos os nossos eventos porque ser refugiado é uma condição que não foi escolhida”, disse o diretor-geral da instituição cultural, Ricardo Piquet.

Entre outros projetos já realizados no Museu do Amanhã que abordam a temática do refúgio, está a montagem da exposição “Horizontes Possíveis – Arte como Refúgio”, que apresentou obras de quatro artistas vindos da República Democrática do Congo e da Síria.

Outras atividades incluíram a participação de deslocados forçados nas feiras multicultural e gastronômica da Praça Mauá, local que se tornou referência para turistas e moradores da capital fluminense.

O ACNUR e o Museu consideram que um futuro de solidariedade só pode ser alcançado pelas ações do presente, onde a diversidade de crenças, valores e formas de pensamento são fundamentais para a consolidação de relações humanas mais respeitosas e íntegras, livres de qualquer tipo de preconceito.

Fonte: ONU 07/11/2016

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

DICHIARAZIONE DI LAURENS JOLLES, DELEGATO UNHCR PER IL SUD EUROPA, SULLA NUOVA TRAGEDIA AL LARGO DELLE COSTE DI LAMPEDUSA

COMPARTILHE

Siamo sconvolti dalla notizia della morte di altri 203 fra migranti e rifugiati, numero che potrebbe salire ulteriormente se venisse confermata la notizia di un quarto gommone disperso.

Leia mais...

Frontex reconoce que el salvamento de inmigrantes no es su objetivo tras otra tragedia en Lampedusa

COMPARTILHE

El director adjunto de la Agencia europea de Fronteras admite a eldiario.es que "ni la UE ni Frontex tienen un mandato para hacer salvamento marítimo" pero matiza que realizan rescates "casi a diario" como "apoyo"

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook