A- A A+

Em 2017 e depois, como ir além dos muros físicos e imateriais que desumanizam?

Por Bruna Kadletz.

Ao retratar as notícias mais icônicas de 2016, o International Business Times do Reino Unido selecionou as 100 imagens mais memoráveis do ano. Das imagens selecionadas, certa de 25 fazem referência direta ou indiretamente a crise que vem desafiando os líderes globais e causando muito sofrimento.

As fotos retratam vítimas inocentes de bombardeios na Síria, barcos abarrotados com refugiados fazendo a travessia do Mar Mediterrâneo, e as condições desumanas dos campos de refugiados nas margens da Europa, dentre outras imagens.

O movimento em massa de pessoas é um dos fenômenos globais mais desafiadores da atualidade. A ausência de soluções sustentáveis e humanidade na resposta acarretou na pior crise humanitária desde a Segunda Guerra Mundial.

O Global Trends 2015, relatório anual da Agência da ONU para Refugiados (UNHCR/ACNUR), apontou que cerca de 65 milhões de crianças, mulheres e homens foram forçados a abandonar suas casas e buscar refúgio por causa de guerra ou perseguição. Mais de 20 milhões atravessaram fronteiras internacionais, tornando-se refugiados. Ao que tudo indica, com a intensificação da Guerra Síria e ataque Saudita no Iêmen, conflitos no Sudão do Sul, Afeganistão e Iraque, os números do deslocamento forçado em 2016 e 2017 devem permanecer altos.

Líderes globais e organizações internacionais tem falhado na resposta humanitária de pessoas que estão presas em zonas de conflito ou nas rotas do refúgio. Restrições políticas e legais impedem alternativas seguras e regulares. Ausência de opções viáveis aprisiona e destitui milhões de refugiados em campos e favelas urbanas ao redor do mundo. O tempo médio que um refugiado passa em um campo é 17 anos e cerca de 86% dos refugiados vivem em países em desenvolvimento no Oriente Médio e África.

Com dificuldades em obter permissão legal para acessar mercado de trabalho ou ingressar no sistema educacional, não é de se surpreender que milhões arriscam suas vidas em travessias clandestinas e perigosas para pisar em solo europeu e solicitar asilo.

O ano que passou foi o mais mortal já registrado para refugiados e migrantes que tentaram atravessar o Mediterrâneo. Mais de 5 mil perderam suas vidas no grande cemitério submarino.

Mas engana-se quem pensa que a crise é isolada. Apesar dos holofotes focarem no fluxo de pessoas que entraram na Europa, países como a Turquia e Líbano sim estão sobrecarregados. Dos apátridas Rohingya em Myanmar e centros de detenção australianos nas ilhas do Pacífico à fronteira EUA–México e aos maiores campos de refugiados do mundo no Quênia e Etiópia, milhões de pessoas vítimas de guerra, perseguição e violência em massa buscam segurança e refúgio.

Para complicar a situação já vulnerável daqueles que sofrem as dores de serem separados da sua terra-natal e familiares, a narrativa ao redor da crise é extremamente tóxica. Comumente associados a ameaças à segurança nacional, ordem social e empregos locais, refugiados recebem o rótulo de indesejáveis e potenciais terroristas. A linguagem empregada tanto pelos veículos da mídia como por políticos com agenda nacionalista é desumanizadora. Deixamos de enxergar seres humanos para ver a sombra da humanidade naqueles que buscam reconstruir suas vidas.

Mas, diante dos recentes atentados terroristas em Paris, Nice, Bruxelas e Berlim, como não acreditar no discurso polarizado que tende a retratar refugiados e imigrantes como o mal da sociedade?

A dicotomia que vilifica ou santifica refugiados e migrantes é falha. Simplesmente porque essa narrativa desumaniza pessoas, reduzindo e estigmatizando-as como uma coisa ou outra. Após poucos anos de trabalho com refugiados na África, Oriente Médio, Europa e Brasil, o meu primeiro aprendizado é que refugiados são seres humanos complexos e diversos, com diferentes religiões, ideologias, níveis educacionais e personalidades.

O uso de discursos xenofóbicos para ganhar eleitorado, cultivar medo e incitar violência em sociedades, como foi utilizado por Trump e tantos outros líderes de extrema direita europeia e australiana, fragmenta e enfraquece a humanidade. Assim, ficamos presos em outra série de polaridades – eu versus outro, nós versus eles, aliados versus inimigos.

Além, tal discurso descarta as raízes ocidentais nos conflitos no Oriente Médio e África. Entre ocupações territoriais e colonização, intervenções militares e expansão capitalista, poços de petróleo e gás natural, extração de recursos naturais e ampliação da indústria bélica, não podemos desvalorizar o papel fundamental do ocidente na desestabilização e desintegração de redes sociais em regiões que originam refugiados e migrantes.

A crise dos refugiados está situada em um contexto global do qual todos nós fazemos parte, e não meramente isolada da nossa realidade. Ela é um complexo desafio global que precisa ser solucionado em múltiplas dimensões, podendo ser vista como uma oportunidade para cultivarmos tolerância religiosa, construirmos sociedades multiculturais e evoluirmos moralmente.

Toda crise é um indicativo que algo não está funcionado e precisa ser transformado. O mundo globalizado foi estabelecido através da tríade que Dr. Martin Luther King chamou de o mal da sociedade – racismo, materialismo extremo e militarismo. Os valores que sustentam tal tríade funcionam através da manutenção do privilégio de poucos e da dinâmica incluídos—excluídos.

Talvez a crise seja um convite para repensarmos os valores que organizam nossa sociedade global. Talvez essa seja uma reflexão válida para o ano de 2017 que se inicia. E se, ao invés de sermos leais somente aos nossos interesses exclusivos pessoais e nacionais, nós ampliássemos nosso campo de visão para incluir o estigmatizado outro e fossemos leais a humanidade como um todo?

Fonte: migramundo - 01.01.2017

 

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Censis: una società sciapa e scontenta: Il futuro? I giovani, le donne e gli immigrati

COMPARTILHE

L'Italia ormai si limita a sopravvivere, perennemente sull'orlo di un baratro spesso invocato ad arte dalla classe dirigente. Ma ci sono "soggettività emergenti": le imprese al femminile o guidate da stranieri, i 4,3 milioni di connazionali che vivono all'estero, e che permettono al Paese di affacciarsi nel mondo globalizzato

Leia mais...

La ola de frío polar en Europa agrava el drama migratorio

COMPARTILHE

Al menos una treintena de personas ha fallecido en Polonia, Italia, Grecia, República Checa, Bulgaria, Albania y Rusia

 ENRIQUE MÜLLER 

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook