A- A A+

Em quatro dias, 850 migrantes entraram na Espanha pelo norte da África

Em quatro dias, mais de 850 migrantes africanos conseguiram entrar na Espanha cruzando a cerca entre o Marrocos e o enclave espanhol de Ceuta. O fato ocorre em um contexto de tensão entre a União Europeia (UE) e o governo marroquino. Os enclaves espanhóis de Ceuta e Melilla, no norte da África, são as únicas fronteiras terrestres entre o continente africano e a Europa. O controle fronteiriço é feito em conjunto pela Espanha e pelo Marrocos. As informações são da Radio France Internationale.

"Na madrugada desta segunda-feira (20), cerca de 600 subsaarianos tentaram entrar em Ceuta, e 359 deles conseguiram", disse, em um comunicado, a delegação do governo espanhol na cidade. "Eles entraram rompendo as portas de acesso com tesouras industriais e martelos. Não precisaram saltar a cerca fronteiriça de 6 metros de altura."

Na sexta-feira (17), quase 500 migrantes já haviam entrado na Espanha pelo mesmo local. A delegação do governo contabilizou 498 migrantes que conseguiram saltar a cerca, de um total de 700 pessoas que tentaram. Na ação, dois migrantes ficaram feridos, um com fratura na perna e outro com traumatismo. Onze guardas civis também ficaram feridos quando tentavam impedir a entrada.
A invasão desta segunda-feira ocorreu em uma zona difícil de controlar. Segundo a porta-voz da Cruz Vermelha em Ceuta, Isabel Brasero,desta vez não houve feridos graves. "Levamos 11 pessoas ao hospital: oito necessitavam de suturas e três, de radiografias", disse. Já a delegação do governo informou que dois guardas civis e um migrante ficaram feridos.

Disputa Marrocos-UE

A invasão de imigrantes ocorre em um contexto em que as relações entre o Marrocos e a União Europeia não passam por um bom momento. O país africano tem lançado ameaças de relaxamento do controle migratório. O motivo da disputa são as diferentes interpretações do acordo de livre comércio sobre os produtos agrícolas e pesqueiros.

No final de 2016, o Tribunal de Justiça da UE estimou que, no Saara Ocidental, antiga colônia espanhola controlada pelo Marrocos, esse acordo não era aplicável, tendo em conta o estatuto separado e distinto desse território em relação ao Marrocos, reconhecido pelas Nações Unidas.

Desde então, associações que apoiam o movimento que pede a independência do Saara Ocidental protestam contra várias operações comerciais entre o Marrocos e os países europeus que afetam os produtos chegados do Saara.

O ministro marroquino de Agricultura, Aziz Akhannouch, advertiu, no dia 6 deste mês, que a Europa se expunha a um "verdadeiro risco de reativação dos fluxos migratórios que o Marrocos tem conseguido conter devido a um esforço contínuo".

20.02.2017

Fonte:agenciabrasil.ebc.

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Key immigration role urged for new religious-freedom ambassador

COMPARTILHE

An evangelical Christian leader wants the federal government’s new ambassador for religious freedom to play a central role in screening refugees and immigrants fleeing religious persecution.

Leia mais...

Prevenzione e cura dei tumori per le donne immigrate, attiva a Roma una task force promossa dalla Caritas

COMPARTILHE

Al via il progetto Foreign Women Cancer Care finanziato attraverso il Fondo europeo per l’integrazione.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook