A- A A+

Classe média venezuelana engrossa fluxo crescente de refugiados no Brasil

Pablo Pereira - O Estado de S.Paulo

Pacaraima, Roraima - Profissionais graduados em universidades na Venezuela, militares e até mesmo funcionários públicos servem mesas, atendem em caixas de supermercado e fazem unhas para sobreviver em Boa Vista após fugir da crise econômica em seu país

O fluxo de cidadãos venezuelanos que atravessam a fronteira de Roraima fugindo da crise política e econômica não está transferindo para o Brasil somente mão de obra sem qualificação, como os operários que fazem bicos em Boa Vista ou indígenas warao, etnia de cultura diferenciada e cultura nômade da Venezuela.

Parte do contingente é de profissionais graduados em universidades venezuelanas ou em cursos técnicos, trabalhadores e profissionais liberais qualificados que podem ser encontrados trabalhando no comércio e serviços na capital de Roraima, primeira parada dos refugiados.

“Está muito difícil a situação na Venezuela”, afirmou na quinta-feira o bioquímico Rhodell Pérez Albornoz, de 40 anos, que optou por deixar seu país há cinco meses e trabalha como garçom em Boa Vista. Com a mulher, Gheyser, de 33 anos, médica especializada em medicina do trabalho e ultrassonografia, Rhodell trabalha à noite em um bar da cidade, junto de pelo menos outros sete compatriotas que também tentam sobreviver com a documentação de refugiados.

“Mas está muito difícil também aqui”, disse ele na quinta-feira, na entrada do prédio da Polícia Federal de Roraima, onde foi renovar os documentos de refúgio. Com um filho de 14 anos para criar, o casal está vivendo somente com a renda de Gheyser. Ela é formada na Universidade Rómulo Gallegos, de San Juan de Los Morros, Estado de Guárico, e veio para o Brasil atraída pelo Programa Mais Médicos. “Esperava ter uma oportunidade”, disse a médica, que trabalhou em uma clínica privada na Venezuela até decidir abandonar o país para tentar a sorte no Brasil.

Hoje, Gheyser é caixa de supermercado em Boa Vista e está arcando com o sustento da família porque o marido está com pelo menos dois meses de salários atrasados no bar onde serve bebidas e espetinhos de carnes. “Somente com aluguel e as taxas de moradia, vão R$ 700, explica Rhodell. Ao relembrar das dificuldades em seu país e também da situação que enfrenta em Boa Vista, Gheyser decidiu encerrar a entrevista. “Não quero mais falar sobre isso. Não resolve nada”, disse ao marido.

Rhodell desculpou-se e explicou que a mulher está cansada e nervosa. “Gostaríamos de ir para outra cidade, onde houvesse mais oportunidades de trabalho, mas as passagens estão muito caras”, relata o rapaz. Ele explica que a situação na Venezuela está se agravando a cada dia.

Para a engenheira de Tecnologia da Informação Gabriela Tenório, de 26 anos, a vida em Boa Vista já foi melhor para os refugiados. Até a semana passada, ela trabalhava à noite como garçonete, mas também teve os salários atrasados. “Está difícil para o dono do restaurante também”, explicou Gabriela.

Na noite de quarta-feira, ela contou que deixou o bar e está trabalhando de manicure “fazendo unhas”. Formada pela Universidade de Santiago Mariño, de Maturin, ela conta que adora sua profissão, sonha em trabalhar com linguagem de programação e pensa em migrar ainda mais para o sul do Brasil. O namorado de Gabriela, também venezuelano, técnico em TI, já tem contatos para conseguir vaga em Florianópolis, para onde o casal planeja se mudar logo que conseguir os recursos para a viagem.

Na manhã de sexta-feira, Freyo Viana, presidente da Associação Venezuelanos no Brasil, que funciona na periferia de Boa Vista, contou que o cadastro dele já contava com pelo menos 542 venezuelanos de diversas profissões. “Temos médicos, engenheiros, contadores e advogados, além de pedreiros e pintores”, disse.

Fonte: O Estado de S.Paulo

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Tijuana enfrenta el reto de recibir en orden a migrantes haitianos, dice el alcalde

COMPARTILHE

En la zona montañosa conocida como el Cañón del Alacrán, más de 220 haitianos se están estableciendo luego de que quedaron atrapados en Tijuana por no poder cruzar hacia Estados Unidos.

Leia mais...

ONU constata “perseguição étnica” em região da República Centro-Africana

COMPARTILHE

 O chefe da Missão da ONU na República Centro-Africana (Minusca) disse que pelo menos 17 mil deslocados internos são protegidos pela operação de paz sendo a maioria muçulmana do bairro de Tokoyo. 

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook