A- A A+

Paquistão disponibilizará documentos de identidade para até 1 milhão de refugiados do Afeganistão

 25.07.2017

Afegão vivendo no Paquistão sem documentos, Mohammad Rehman passou toda a sua vida com medo de ser preso pela polícia ou de ser deportado para seu país de origem, uma terra devastada por conflitos. A partir de agora, o refugiado não precisa mais se preocupar. Um programa lançado este mês (20) pelo governo paquistanês vai registrar até 1 milhão de afegãos que não possuem identificações oficiais.

“Eu me sinto confiante que poderei ter, ao menos, algum tipo de identidade enquanto estiver no Paquistão”, afirma Mohammad, que nasceu e cresceu no Paquistão, filho de pais afegãos. Ele nunca teve nenhum documento de identidade válido em território paquistanês.

Com a iniciativa das autoridades, milhares de afegãos receberão um cartão de Cidadão Afegão, documento que confere proteção legal contra prisões arbitrárias, detenções ou deportação, segundo determina a Lei do Estrangeiro no país.

Atualmente estimados entre 600 mil a 1 milhão, muitos dos afegãos que moram na nação de acolhimento deixaram sua terra natal há quase quatro décadas.

Há seis meses, o programa de registro deu início a projetos-piloto na capital Islamabad e em Pexauar, cidade no noroeste do país. A partir de 16 de agosto, a iniciativa deverá ser lançada e implementada em todas as quatro províncias do país.

A Agência das Nações Unidas para Refugiados (ACNUR) incentiva a emissão de documentos para as populações deslocadas de afegãos no Paquistão. Segundo o organismo internacional, a documentação permitirá que esses indivíduos permaneçam no Paquistão até que possam adquirir outros documentos, como passaportes, pelo governo do Afeganistão.

“A iniciativa trará um alívio muito necessário a várias famílias afegãs. Algumas foram registradas como refugiadas, enquanto outras ficaram sem estatuto legal”, explica a porta-voz da entidade, Duniya Aslam Khan. “Isso ajudará a regularizar a estadia de muitos refugiados, num momento que retornar ao seu país de origem pode não ser possível.”

A iniciativa está sendo lançada após três anos de consultas entre os dois países e o ACNUR. Outros componentes do plano incluem estender a validade dos cartões de identificação para mais de 1,4 milhão de refugiados afegãos registrados até o final de 2017. Também está prevista a adoção de um compromisso com vistas à aprovação de uma lei nacional para refugiados.

A Autoridade Nacional de Base de Dados e Registro do Paquistão, o Ministério dos Estados e Regiões Fronteiriças e o Ministério dos Refugiados e de Repatriação do Afeganistão vão supervisionar o projeto, com o apoio da Organização Internacional para as Migrações (OIM) e do ACNUR. O ACNUR auxiliará a OIM com uma campanha para informar as comunidades afegãs que vivem no Paquistão sobre o programa.

Fonte: nacoesunidas.org

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Todorov: La giustizia riparatrice

COMPARTILHE

di Tzvetan Todorov

I lavori della Commissione sudafricana per la Verità e la Riconciliazione sono stati accolti nei Paesi 
occidentali da un coro di opinioni favorevoli, e persino ammirate.

Leia mais...

Immigrati, sentirsi italiani con una parte dell'Italia contro

COMPARTILHE

L'Italia condivide due record con la Spagna, primo: è il paese Ocse con la più alta crescita della popolazione immigrata dall'inizio del 2000. Secondo, che gli stranieri sono essenziali alla sua economia, ma subiscono una difficile integrazione, un incerto sistema dei permessi, la sottoccupazione, lo sfruttamento sul lavoro

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook