A- A A+

Centro para imigrantes é aberto na fronteira entre Brasil e Venezuela

 

Porta de entrada para os imigrantes que entram no Brasil a partir da Venezuela, a cidade fronteiriça de Pacaraima (RR) conta agora com um local dedicado ao atendimento e orientação aos recém-chegados ao país.

O Centro Pastoral para Migrantes (CEPAMI), inaugurado no último dia 7 de agosto, foi idealizado pelo Instituto Migração e Direitos Humanos (IMDH), pela Paróquia Sagrado Coração de Jesus, de Pacaraima, e Diocese de Roraima. Com duas salas para atendimentos, o centro tem como objetivo oferecer orientação, informações, ajuda na documentação, fornecimento de cestas básicas, e encaminhamento para atendimento em órgãos públicos.

O local funciona de segunda a sexta, das 9h às 12h e das 15h às 18h e fica na rua Brasil, via paralela à BR-174, que liga a região Norte do país à fronteira com a Venezuela

O centro para imigrantes em Pacaraima não conta com vagas para acolhida, embora notícias divulgadas meses atrás indicassem a construção de um abrigo provisório na cidade. Em julho passado, o Ministério Público Federal recomendou ao Estado de Roraima e aos municípios de Pacaraima e de Boa Vista que adotassem medidas para melhorar o atendimento no Centro de Referência ao Imigrante na capital e a criação de um centro de acolhimento aos imigrantes na fronteira.

Expectativas

A partir do novo equipamento, o Centro Pastoral deve organizar um cadastramento das famílias para poder planejar ações e buscar recursos que possam suprir suas necessidades emergenciais. Assim que concluído este levantamento, outras ações já estão previstas e serão implementadas para atender esta população migrante que chega diariamente ou que passa por Pacaraima.

Com os serviços de orientação previstos para o Centro Pastoral, a expectativa é de que ele ajude a organizar melhor a demanda por documentos e solicitações de refúgio em Roraima. Por falta de estrutura até no posto da Polícia Federal em Pacaraima, tais pedidos acabavam encaminhados para a capital, Boa Vista, que fica cerca de 200 km adiante.

Em entrevista ao portal do IMDH, o bispo da Diocese de Roraima, Dom Mario, parabenizou a comunidade local pela abertura do Centro Pastoral. “O Centro Pastoral tem a missão de auxiliar e encaminhar o imigrante que por vezes não sabe quem procurar, a quem recorrer. Muitas pessoas vêm da Venezuela e também de outros países, com necessidades diversas e precisam de ajuda, precisam encontrar pessoas de coração aberto e de mãos generosas, para poderem encontrar a acolhida e o apoio de que necessitam”.

A expectativa de auxílio aos imigrantes também é compartilhada pela superintendente da Polícia Federal em Roraima, Rosilene Santiago. “O volume de venezuelanos buscando atendimento junto à PF é crescente. Não há perspectiva que esta procura diminua. O Centro auxiliará os imigrantes a obterem a documentação necessária para se regularizar no Brasil”.

A Irmã Telma Lage, coordenadora do Centro de Migrações e Direitos Humanos (CMDH) da Diocese de Roraima, vê o novo Centro como um importante primeiro passo. “Esta iniciativa é fundamental para o começo de um tratamento mais digno para aqueles que chegam sem muitas informações e sem nenhuma segurança quanto ao futuro”.

Situação atual

Estimativas do governo de Roraima apontam que cerca de 30 mil venezuelanos chegaram ao Brasil por terra desde o ano passado, a partir da fronteira entre as cidades de Santa Elena de Uairén (Venezuela) e Pacaraima.

Já a Polícia Federal estima ter recebido, até junho, 6.438 solicitações de refúgio de venezuelanos, número bem superior ao registrado ao longo dos anos de 2016 (2.230) e 2015 (230).

Esses dados acabam inflados porque a solicitação de refúgio – que é gratuita, mas destinada pessoas que buscam proteção contra perseguições ou ameaças aos seus direitos no país de origem – também é o recurso usado pelos venezuelanos como alternativa ao pedido de autorização de residência temporária, que é pago. Somente com esse visto temporário ou com o protocolo de solicitação de refúgio que os venezuelanos podem tirar documentos como a carteira de trabalho. Sem tais documentos, os imigrantes ficam ainda mais sujeitos a explorações dos mais diversos tipos.

No último dia 1º de agosto, uma decisão liminar da Justiça Federal de Roraima determinou a dispensa da cobrança da taxa de solicitação de residência temporária de venezuelanos que migraram recentemente para o Brasil, caso provem que não possuem condições de pagar por ela. O gasto médio para obter essa autorização de residência é de R$ 311,12.

No entanto, já existe um debate em meio à sociedade civil e junto a especialistas se a escalada da crise política, social e econômica da Venezuela já suficiente para justificar um pedido de refúgio no Brasil por parte de cidadãos venezuelanos.

 

Fonte:migramundo.com

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Migrantes centroamericanos superan a los mexicanos al cruzar EEUU

COMPARTILHE

 Por primera vez en la historia, la migración mexicana hacia Estados Unidos ha sido superada por la centroamericana. Datos de la Patrulla Fronteriza señalan que el año pasado arrestaron y deportaron a 229,178 mexicanos y a 257,473 centroamericanos.

Leia mais...

Human trafficking, a booming invisible industry

COMPARTILHE

Human trafficking in Malaysia is an invisible industry, as it happens behind closed doors away from the public eye, said Tenaganita, a migrant NGO.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook