A- A A+

Lei que reprime tráfico de pessoas completa um ano

Esta sexta-feira (6) marca um ano desde a edição da nova lei sobre o tráfico de pessoas. O texto, proveniente de um Projeto de Lei do Senado (PLS) 479/2012, trouxe vários avanços na repressão a este tipo de crime, como o aumento das penas e a ampliação das situações que caracterizam o tráfico de seres humanos.

— A lei foi um avanço importante na legislação brasileira, e sua aprovação e respectiva transformação em norma jurídica representou a adaptação da lei brasileira ao Protocolo Adicional à Convenção das Nações Unidas contra o Crime Organizado Transnacional Relativo à Prevenção, Repressão e Punição do Tráfico de Pessoas (Protocolo de Palermo), do qual o Brasil é signatário — explicou a senadora Lídice da Mata (PSB-BA).

Lídice foi a relatora da Comissão Parlamentar de Inquérito do Senado que investigou o tráfico nacional e internacional de pessoas. O projeto é resultado dos trabalhos da CPI, que foi presidida pela senadora Vanessa Grazziotin (PCdoB-AM). A intenção era aumentar a repressão a esse tipo de crime Ainda não há dados atuais do Ministério da Justiça sobre os casos de tráfico de pessoas em 2017.

Mudanças

Antes da lei, a pena para quem cometesse o crime ia de três a oito anos de reclusão. Houve aumento na pena mínima e, hoje, o trafico de pessoas é punido com reclusão de quatro a oito anos. A pena pode ser aumentada de um terço até a metade se o crime for cometido contra criança, adolescente, pessoa idosa ou pessoa com deficiência e se a vítima for retirada do território nacional, entre outras situações.

A nova lei também mudou a tipificação do crime e ampliou as situações que podem caracterizar o tráfico de pessoas. Antes o trafico era caracterizado apenas quando o fim era a exploração sexual. Agora também é tráfico recrutar pessoas para trabalho escravo, qualquer tipo de servidão, remoção de órgãos e tecidos e adoção ilegal.

Além disso, o texto trouxe outras medidas, inclusive de proteção e assistência às vítimas.

— O texto criou uma política integral de proteção à vítima, brasileira ou estrangeira, com assistência jurídica, social, de trabalho, emprego, e de saúde. Além disso, permitiu a concessão de visto de permanência à vítima estrangeira no território nacional, com possibilidade de extensão à família — explicou a senadora.

Outra medida prevista na lei é a criação de um e banco de dados nacional, com procedimento de coleta unificado. Isso permite ao Estado um controle maior da questão.

Fonte:www12.senado.leg.br

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Falta de uma política migratória nacional maltrata migrantes, compromete avanços e sobrecarrega a sociedade civil

COMPARTILHE

 A Missão informa que os imigrantes que atualmente chegam do Acre estão sem a carteira de trabalho, o que os impedem de buscar emprego formal e dificulta o encaminhamento para outras regiões. Nos meses anteriores, eles já chegavam do Acre com o documento em mãos.

Leia mais...

‘They said I was going to work like a donkey. I was grateful.’

COMPARTILHE

Like many immigrants, money drew Kazi Mannan to the United States. Making enough to support his father and nine siblings in Pakistan meant not only doing the jobs many Americans shun, but also working the hours many Americans won’t.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook