A- A A+

Capacitação para atendimento a migrantes ganha espaço no Brasil

 Iniciativas promovem a sensibilização de servidores e são boas práticas para promover atendimentos mais humanizados.

As transformações geradas pelas migrações vão além do que se vê nos movimentos globais. Governos estaduais e municipais também são desafiados a elaborar políticas públicas que dialoguem com os migrantes que vivem em uma determinada região ou cidade. E no Brasil, a necessidade de capacitar os servidores públicos para o atendimento à população migrante pouco a pouco ganha importância.

As iniciativas já existentes podem ainda ser isoladas e em estágio inicial, mas representam um primeiro passo em direção a políticas que promovam um melhor preparo do servidor público para lidar com a diversidade cultural trazida pelos migrantes para as sociedades onde vivem. Para começar, veja o que tem acontecido em Santa Maria (RS) e em São Paulo (SP).

Articulação no RS

O mês de junho, que tem simbolizado a luta pelos direitos humanos através do Dia internacional dos Refugiados, foi também de muito trabalho para estudantes, professores e servidores públicos na Universidade Federal de Santa Maria (UFSM), no Rio Grande do Sul. A instituição, que aprovou no ano passado o programa especial de acesso à universidade pública para refugiados e portadores de visto humanitário, promoveu o seu primeiro Curso de Capacitação e Formação “Migrações, Refúgio e Políticas Públicas: atendimento, acolhimento e integração local”.

O curso, promovido em parceria entre a Cátedra Sérgio Vieira de Melo, o Grupo de Pesquisa e Extensão Em Mobilidade Humana Internacional (MIGRAIDH) e a Secretaria Municipal de Desenvolvimento Social, surgiu a partir da articulação entre esses órgãos, e possibilitou o debate sobre migrações e refúgio para servidores públicos dos três níveis federativos, estudantes e sociedade civil, contando também com a participação de convidados da Defensoria Pública da União e representantes de associações de migrantes locais.

A professora Giuliana Redin, coordenadora do projeto, contou ao MigraMundo sobre a iniciativa, que apesar de ter seu encontro inaugural na Câmara de Vereadores e estar relacionada à criação de um programa de acesso à UFSM, não se restringiu ao público da universidade. “As demandas dos migrantes e refugiados estão ligadas ao cotidiano de servidores municipais, estaduais e federais, como policiais e servidores da secretaria de educação, e por isso foi importante incluí-los na formação.”

Alex Monaiar, psicólogo participante do projeto, ponderou que a baixa concentração de migrantes na cidade costuma levantar questionamentos acerca da relevância do curso. “A demanda não pode ser relevante apenas se é numericamente volumosa” , pondera.

Contudo, a importância do curso ficou clara na opinião dos participantes, que o avaliaram como extremamente relevante para a compreensão dos desafios da agenda das migrações e refúgio. Em questionário de avaliação, os participantes declararam que “o curso foi esclarecedor para o conhecimento do tema”, “mudou minha perspectiva sobre o assunto” e consideraram transformadora a experiência de ouvir os relatos dos migrantes que participaram dando seus depoimentos.

Registro do encontro inaugural do curso de capacitação na Câmara de Vereadores em Santa Maria/RS. Na foto Diene, do Senegal, compartilha suas experiências no Brasil. Crédito: Alessandra Jungs de Almeida/Arquivo MIGRAIDH

Realizado em três encontros, o curso promoveu também a elaboração da Carta de Santa Maria sobre Políticas Públicas para Migrantes e Refugiados, com colaboração aberta a debate de todos os participantes e interessados, sendo posteriormente encaminhada ao Gabinete do Prefeito e às comissões de Direitos Humanos e Políticas Públicas do Legislativo Municipal. “É necessário pensar a questão das migrações dentro do plano municipal. A gente criou um espaço para os grupos debaterem e no final encerramos com uma espécie de plenária. O espaço do curso funcionou como uma conferência, com migrantes e representantes da sociedade civil, e ficamos motivados com o engajamento dos participantes, que ficaram até tarde discutindo os temas propostos”, ponderou Giuliana.

A carta encoraja a participação política, por meio da criação de espaços institucionais consultivos e deliberativos, com representação da população migrante, órgãos públicos e sociedade civil, e ambiciona a criação de um Centro de Referência e Apoio a Migrantes e Refugiados na cidade, inspirada na experiência da cidade de São Paulo, que aprovou sua Política Municipal para População Migrante em 2016.

Formação de rede intersetorial em São Paulo

Referência nacional, a cidade de São Paulo possui desde 2013 uma área destinada a articular a gestão pública municipal em torno da temática migratória, que é a Coordenação de Políticas para Migrantes e Refugiados (CPMig). Parte desse trabalho pode ser notado em um espaço estabelecido para a formação de servidores na temática das migrações e refúgio.

Segundo relatório da CPMIg, entre 2014 e 2015, 1033 servidores públicos passaram por formação para o atendimento de migrantes, corroborando para a criação de um curso permanente a partir de 2017 sob o título “Somos Tod@s Migrantes – Migrações e Direitos na Cidade de São Paulo”.

Servidores participam do curso realizado em setembro, que abordou questões culturais e trouxe casos práticos.
Crédito: Fabio Andó Filho/CRAI/Divulgação

Realizado de forma mensal, o curso é voltado a servidores públicos da rede municipal de educação, saúde, assistência social, segurança e também representantes da sociedade civil. Ele nasceu de uma reivindicação histórica dos movimentos de imigrantes na cidade, figurando como uma das propostas elaboradas durante a 1ª Conferência Municipal de Políticas para Imigrantes, realizada no final de 2013 pela Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC), a qual a CPMig está subordinada. A capacitação de servidores também visa a sua sensibilização, de forma a promover atendimento humanizado e um melhor entendimento sobre migrações e refúgio.

A iniciativa funciona em parceria entre o Centro de Referência e Atendimento para Imigrantes (CRAI) e a CPMIg. É concedida certificação aos participantes pela Escola Municipal de Administração Pública de São Paulo (EMASP) e os encontros são conduzidos por uma equipe de técnicos, atendentes, assistente sociais e pela coordenação do do CRAI, que promovem a sensibilização a partir da experiência no contato direto com atendimento à população migrante.

Fábio Andó, assistente de projetos do CRAI e educador do curso, contou ao MigraMundo sobre essa experiência. “O papel da formação dos servidores em São Paulo é essencial para qualificação do trabalho em rede intersetorial entre equipamentos públicos que atendem migrantes, ele não é um fim em si mesmo. A gente sempre começa perguntando como os participantes se mobilizam dentro do território com os outros equipamentos públicos e que tipo de ações já desenvolveram, como os migrantes tem se organizado nos contextos de atendimento e vamos coletando informações que servem para compartilharmos experiências com outros serviços. A maior parte das vezes que vamos fazer uma formação, já saímos com uma ação marcada. De repente um equipamento está pensando em fazer uma festa junina e está planejada uma ação de promoção da saúde, então nos convidam para estarmos presentes para fazer o atendimento dos migrantes que comparecerem. Ou a escola quer que façamos uma reunião com os alunos ou com os pais. Isso acontece em praticamente todas as formações que a gente faz, que promovem um espaço para o debate, sensibilização e discussões de idéias.

A partir desse trabalho, Andó destaca os frutos que ações como essa ajudam a colher junto aos servidores e que procuram qualificar o atendimento público para lidar com as diferenças culturais e sociais trazidas pela migração. “É interessante porque reunimos diversos servidores que não conhecem nosso serviço, mas depois nos chamam para visitar seus equipamentos. A importância do curso é ser um canal para formação de redes e a mediação entre servidores de vários setores diferentes.”

Como participar?

O Curso “Somos tod@s Migrantes-Migrações e Direitos na Cidade de São Paulo” ocorre de forma mensal. Confira os detalhes sobre como, quando e onde participar:

Quem pode se inscrever?
Agentes públicos municipais e membros da sociedade civil que atuem na temática da migração ou cuja entidade atenda, ou deseje atender, essa população.

Onde ocorre o curso?
As atividades acontecem no prédio da EMASP, no centro de São Paulo: Rua Boa Vista, 280 – 3° andar.

Como se inscrever?
As inscrições são feitas pelo site da Prefeitura de São Paulo (acesse o link aqui)

Quando serão as próximas turmas?
As próximas turmas serão em 17 de Outubro e 21 de Novembro, das 9h às 13h. As inscrições abrem no final de cada mês anterior ao curso.

São emitidos certificados para os participantes?
Sim, a certificação é emitida pela própria EMASP.

Fonte: migramundo.com

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Syndicate involved in trafficking foreigners identified

COMPARTILHE

Police have identified several syndicate members who are actively involved in trafficking foreigners in Penang for the past few months.

Leia mais...

El Gobierno británico amenaza a quien ampare a los sin papeles

COMPARTILHE

El Gobierno de Cameron continúa su cruzada contra la inmigración ilegal

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook