A- A A+

ONU aponta migrações forçadas e tratamento dado a migrantes como causas da fome

As migrações forçadas e o tratamento desumano dispensado aos migrantes ainda são fatores causadores da fome no mundo, afirmam representantes da Organização das Nações Unidas (ONU) e da Confederação Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), que se reuniram hoje (10), em Brasília, para um debate sobre o tema Mudar o Futuro da Migração: Investir em Segurança Alimentar e Desenvolvimento Rural.

O encontro, que também contou com a participação de autoridades dos governos federal e do Distrito Federal, é um dos eventos programados para o Dia Mundial da Alimentação, celebrado na próxima segunda-feira (16).

De acordo com o representante da ONU para a Alimentação e a Agricultura (FAO) no Brasil, Alan Bojanic, os números da parcela da população mundial com alimentação escassa observados na década de 90 melhoraram em 20 anos, passando de 1 bilhão para 780 milhões de pessoas, conforme levantamento de 2015.

Bojanic ressaltou que, apesar disso, em um contexto de migrações involuntárias, as mudanças climáticas, a violência e a situação econômica de países como Somália e Síria acentuam a insegurança alimentar de diversos grupos e ameaçam a meta de erradicar a fome até 2030, estipulada pela ONU.

Ainda segundo Bojanic, mais de 75% dos 815 milhões de pessoas que lutavam contra a insegurança alimentar no ano passado viviam no campo. Daí a importância de investir na agricultura familiar, responsável pelo fornecimento de 70% dos alimentos de todo o mundo.

Para Bojanic, a mitigação dessa insegurança e o desenvolvimento sustentável podem ser alcançados com a mediação dos conflitos por terra, a regularização fundiária, o aperfeiçoamento das capacidades dos imigrantes que recebem e a oferta de oportunidades agrícolas e não agrícolas. “O que é ruim é a migração forçada. Os imigrantes levam conhecimento, força de trabalho. Somos favoráveis à migração feita de maneira ordenada”, afirmou no evento.

O representante da FAO informou que, em 2015, os imigrantes remeteram aos parentes que ficaram no país de origem US$ 600 bilhões, o que revela outro ângulo de sua força motriz no âmbito da economia. Desse valor, US$ 441 bilhões foram destinados a países em desenvolvimento.

"Globalização da indiferença"

O secretário-geral da CNBB, dom Leonardo Steiner, destacou que, naquele ano, 65,3 milhões de pessoas foram impelidas a se deslocar, dos quais 21 milhões foram refugiados. “É a globalização da indiferença, como afirma o papa Francisco. Estamos bem e comodamente instalados, esquecendo-nos, certamente, dos outros. Não nos interessam seus problemas, as injustiças que sofrem”. “Pode um imigrante chegar à sua realização da forma como é acolhido?”, questionou dom Leonardo.

Em 2015, 244 milhões de pessoas passavam por processos migratórios, sendo 95 milhões ocasionados por desastres naturais. O número representa 40% a mais do que o registrado em 2000, quando 60 milhões foram forçados a mudar de território.

O Instituto Ipsos ouviu, em julho, mais de 17 mil adultos de 25 países sobre como veem os imigrantes e divulgou o resultado no mês passado. Quase metade dos entrevistados (42%) disseram que encaram “o impacto gerado” por imigrantes como negativo, contra 21% que consideram positivo e 34% que julgam “neutro”. Informações da Polícia Federal indicam que o Brasil abriga 1.847.274 imigrantes regulares.

Se, por um lado, os grupos de produtores rurais, em grande parte formados por imigrantes, estão particularmente vulneráveis a desastres naturais, porque mais expostos ao esgotamento de recursos naturais e às secas, são, por outro lado, como assinalou Steiner, quem leva às mesas alimentos mais saudáveis, através da agricultura familiar. “Alimentos impregnados de agrotóxicos podem servir ao mercado, mas não são alimentos seguros”, disse.

O Panorama da Segurança Alimentar e Nutricional na América Latina e no Caribe 2017, publicado hoje pela ONU e pela Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS), informa que o Brasil, que deixou de figurar no Mapa da Fome em 2014, é um dos países capazes de extinguir a fome entre sua população. O bom presságio ocorre diante de um índice de fome inferior a 2,5%, mantido ao longo dos últimos anos e garantido por políticas públicas que, por recomendação das duas entidades, devem ser conservadas.

Fonte: agenciabrasil.ebc.com.b

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Perseguidos, curdos fogem do Iraque e se refugiam no Sudoeste

COMPARTILHE

 A televisão ligada no canal de notícias escancara o horror da guerra na terra natal, o Iraque. Na tela, as cenas de explosões e ofensivas militares reproduzem aquilo que Hasan Qasim Hassoon, 33 anos, e mais cinco conterrâneos assistiram a poucos metros deles, nos últimos meses. O grupo deixou a cidade de Sinjar por serem curdos, minoria social e religiosa no país.

Leia mais...

Argentina y Bolivia trabajan conjuntamente para erradicar la Trata de Personas

COMPARTILHE

La nueva Cónsul de Bolivia en Jujuy, Evelyn Agreda, explicó los pormenores del trabajo conjunto que realizan ambos países para abordar esta problemática.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook