A- A A+

Em África, maior parte da migração ocorre entre países vizinhos

Para enviada da ONU,  Pacto Global para Migração pode desafiar mitos atuais e construir uma narrativa com base na realidade; reunião regional aborda processo que deve adotar um plano global para migração.


A representante especial do secretário-geral para a Migração Internacional participa no encontro regional africano sobre o processo que deve adotar um pacto global para uma migração segura, ordenada e regular.
No evento, que decorre na capital etíope Adis Abeba, Louise Arbour disse aos delegados de vários governos que o plano é uma "oportunidade para desafiar mitos atuais e construir uma narrativa com base na realidade".

Países de origem

Para a responsável, o Pacto Global para Migração deve considerar que "a maioria dos Estados é ao mesmo tempo composta por países de origem, trânsito e destino".
Ela disse haver, entretanto, realidades que obrigam a usar "a oportunidade do Pacto Global para abordar a migração em todos os seus aspectos e complexidades".

Na África, 2% dos migrantes passaram a viver em outros países da região e a maior parte da migração ocorre entre países vizinhos.

"Mal-entendido"

Arbour apontou que é um "mal-entendido" muito frequente que a maioria dos migrantes em toda região tenta chegar aos países ocidentais, ao destacar que a crescente migração Sul-Sul.
Como defendeu, à exceção do norte da África, cerca de dois terços dos migrantes vão para outros países do continente. A maioria vive dentro das suas sub-regiões.

No evento organizado pela Comissão Econômica da ONU para África, ECA, Abrour disse que devem ser alargadas as vias regulares e legais de migração para melhor gerir a oferta e a demanda nos mercados de trabalho mundiais

A representante enfatizou que a meta dos Objetivos de Desenvolvimento Sustentável que prevê facilitar a migração segura, ordenada e regular foi reiterada na Declaração de Nova Iorque.

Para ela, será possível cumprir esse propósito com "uma maior variedade e alcance de caminhos legais para os migrantes que não são refugiados, para que eles possam trabalhar nos mercados."

Fonte:www.unmultimedia.org

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Bloccati in Grecia, nel limbo dei campi intorno a Salonicco

COMPARTILHE

REPORTAGE. Dopo Idomeni che ne è stato dei profughi fermi al confine? Viaggio nelle ex fabbriche dove sono stati trasferiti dopo lo sgombero dei campi informali. Condizioni fatiscenti e tempi incerti. I migranti aspettano: "Qualsiasi nazione va bene. Vogliamo solo andare via di qui".

Leia mais...

“Non sono un criminale”: storia di un ex passeur del Niger

COMPARTILHE

Il Niger - territorio principe della rotta sahariana - è uno dei paesi africani in cui più si avvertono i contraccolpi delle decisioni prese in Europa, e si giocano grandi partite su finanziamenti e aiuti. Qui le cose non sono mai bianche o nere, soprattutto se si guarda abbastanza da vicino, come ha fatto per noi Giacomo Zandonini. Qui ha incontrato l’ex passeur Bazou Ider, la cui vita attraversa la storia contemporanea del Niger.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook