A- A A+

“Estamos aqui”: 11ª Marcha dos Imigrantes leva 4.000 à avenida Paulista

 “Vidas Pretas Também Importam”, direito ao voto e políticas públicas efetivas foram algumas das reivindicações do ato deste ano, que atraiu pessoas de dezenas de nacionalidades.

Pela segunda vez, a avenida Paulista foi palco da Marcha dos Imigrantes, principal mobilização das comunidades migrantes que vivem em São Paulo e que chegou à 11ª edição neste ano.

Segundo os organizadores, cerca de 4.000 pessoas participaram da edição deste ano, contra 2.000 em 2016. O ato foi organizado por uma comissão composta por brasileiros e imigrantes (que eram maioria) e contou com apoio logístico do CAMI (Centro de Referência e Acolhida do Imigrante). Juntos, trabalharam por cerca de quatro meses para mobilizar as diferentes comunidades migrantes, instituições da sociedade civil envolvidas na temática migratória, e também para conseguir a infraestrutura necessária para o evento – colaboraram, por exemplo, a Secretaria Municipal de Direitos Humanos e Cidadania (SMDHC) e os gabinetes das vereadoras Juliana Cardoso (PT) e Patrícia Bezerra (PSDB).

“Foi um trabalho de mobilização muito grande feito por muitos imigrantes latino-americanos, africanos e asiáticos para trazer os imigrantes aqui, o que também é um processo de empoderamento, construção de redes e contatos pessoais para o brasileiro também entender a pauta dos imigrantes”, reforça Alex Vargem, da equipe de organização da marcha.

O esforço, pelo jeito, foi recompensado. Bandeiras de Bolívia, Chile, Angola, Mauritânia, Senegal, Mali, Haiti, República Democrática do Congo, Paquistão, Bangladesh e Palestina, entre outras, dão uma ideia da diversidade presente nas cerca de três horas de duração da Marcha.

Apresentações culturais da comunidade boliviana, a segunda maior entre os migrantes em São Paulo (ao menos 60 mil pessoas, de acordo com a Prefeitura de São Paulo, sem contar descendentes) e do grupo musical Lakitas Sinchi Warmis (formado apenas por mulheres migrantes e brasileiras de primeira geração) trouxeram ainda mais cores e sons para a manifestação.

Também era nítida a presença de mulheres com crianças em maior número do que nas edições anteriores da Marcha.

“Estamos Aqui”, direito ao voto…

Para este ano o tema da Marcha foi “Pelo Fim da Invisibilidade dos Imigrantes”, em alusão às dificuldades vividas no cotidiano e pela ausência ou deficiência de políticas públicas voltadas às comunidades migrantes.

A manifestação ganhou ainda mais significado e importância frente aos acontecimentos recentes no Brasil, como a entrada em vigor da Lei de Migração e as mudanças promovidas pelo governo tanto no ato de sanção como no decreto regulador, fortemente criticados pela sociedade civil.

“Marchamos pela anulação do decreto 9.199/2017 que regulamentou a Lei de Migração (Lei 13.445/2017), com artigos que criminalizam migrantes, sobretudo em situação irregular e reivindicamos uma nova regulamentação democrática com ampla participação da sociedade civil, imigrantes e refugiados. Marchamos pela criação e fortalecimento de políticas públicas e instituições que promovam a inclusão e garantia de direitos de imigrantes e refugiados em nível municipal, estadual e nacional”, traz trecho do manifesto da Marcha, que foi lido ao final do ato.

Imigrantes de países como Angola, Haiti e República Democrática do Congo também leram manifestos e aproveitaram o microfone aberto para expressar suas pautas, como os protestos contra a situação dos migrantes na Líbia e a frase “Vidas Pretas Também Importam”. Ao final do ato, o coordenador-geral do CAMI, Roque Patussi, antecipou a data da próxima edição da marcha para 2 de dezembro de 2018, também na avenida Paulista.

A marcha deste ano também trouxe de volta as bandeiras confeccionadas por imigrantes e que ficaram expostas em estações do metrô de São Paulo na intervenção artística Fronteiras Livres, nos meses de outubro e novembro.

Primeira vez

Outro indício de sucesso da mobilização pela marcha foi a presença de muitos imigrantes e refugiados que pela primeira vez participaram da marcha.

Adade Veiga Ponce é boliviano e mora no Brasil há 15 anos e estava muito feliz em poder carregar pela Avenida Paulista a bandeira de seu país. “Estou muito alegre. Nunca tinha participado, mas agora que estou ligado à comunidade boliviana quero participar todos os anos. Essa é a segunda vem que venho a essa avenida e estou achando tudo muito bonito”, conta. Ao lado de Adade, marchavam também outros bolivianos da comunidade de Guaianases, bairro da zona leste de São Paulo, onde moram e trabalham.

Imigrantes africanos também marcaram presença no ato. Boubou Diacko é da Mauritânia e está há 10 meses no país. Também pela primeira vez na marcha, foi para o ato com um grupo de cerca de 70 pessoas para denunciar as arbitrariedades e violações de direitos que acontecem na terra natal. “No meu país tem muito racismo. O presidente não considera a raça preta e somos contra essa discriminação, que não é normal”.

Há dois anos no Brasil, Maria Helena Lusango é angolana e foi para a marcha para denunciar as dificuldades enfrentadas no país, como a regularização migratória e o acesso a trabalho digno. “Temos que defender e lutar por direitos. Temos que valorizar a nossa cultura”, destaca.

Violência contra a mulher

Pela quarta vez na marcha, a Frente de Mulheres Imigrantes e Refugiadas participou novamente nesse ano trazendo a luta pelos direitos das mulheres para o debate sobre migrações.

“A Marcha é uma forma das mulheres conseguirem visibilidade nos espaços públicos, onde estão outras pessoas que não são migrantes, como os brasileiros. Para algumas mulheres, é a única forma de visibilidade, de mostrar que existem no Brasil e que tem os mesmos direitos que os nativos”, contou a colombiana Lida Tascon, representante da Frente e membro da Equipe de Base Warmis- Convergência das Culturas.

Uma novidade na edição deste ano foi que a frente de mulheres imigrantes se dividiu em dois blocos: um composto pelo projeto Lakitas, apresentando diversas canções com flautas andinas e percussão; e outro, ao final da marcha, pedindo um basta à violência contra as mulheres.

Com camisetas cor de rosa, as participantes exibiam as mensagens basta de violência, Ni Una a Menos, em referência ao enfrentamento do feminicídio, e Eles por Elas, referência à campanha internacional da ONU Mulheres, que chama os homens a participarem ativamente na desconstrução de estereótipos de gênero, no enfrentamento do machismo e na promoção dos direitos das mulheres, pelo fim da violência.

A boliviana Blanca Bautista participa desde 2009 da marcha. “É uma luta contra a discriminação e pelos nossos direitos”, frisa. Ela vê a violência contra as mulheres como um problema que está presente em todos os países e que é importante denunciar o problema e ajudar as mulheres a romperem o ciclo da violência.

Conscientizar as mulheres imigrantes sobre a violência doméstica e promover o empoderamento é um dos trabalhos desenvolvidos pela ONG Presença América Latina (PAL). Oriana Jara conta que o bloco é composto por mulheres que participam do projeto de formação Tecendo Sonhos, que promove a autonomia das mulheres, passo fundamental para superar a violência.

“Trabalhamos com grupos em que a violência doméstica está muito presente, mas não é reconhecida pelas mulheres porque está naturalizada pela cultura colonialista e patriarcal. Ser mulher imigrante de uma etnia tradicional é diferente de ser urbana e classe média. Elas vivem muito mais dentro da violência estrutural, cultural e doméstica”, frisa.

Por meio da conscientização, muitas mulheres superaram quadros depressivos, passaram a sair de casa e alcançaram a autonomia e uma vida livre da violência, como o bloco pede para todas as mulheres.

Fonte: migramundo.com

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Profughi, Ciambetti: in Veneto più di 14 mila fantasmi

COMPARTILHE

Il presidente della Baviera, Horst Seehofer, ha chiesto nuove verifiche per i profughi arrivati in Germania: 'Dobbiamo sapere chi si trova in questo Paese' ha dichiarato alla Süddeutsche Zeitung. 

Leia mais...

MP desarticula esquema de tráfico de pessoas em Mateus Leme (MG)

COMPARTILHE

Denúncia foi feita por um dos trabalhadores.
Ao todo, 36 vítimas foram resgatadas.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook