A- A A+

Meninas refugiadas têm metade da probabilidade de ir à escola do que os meninos

Relatório explica que convenções sociais e culturais contribuem para priorização dos rapazes; alto comissário para refugiados disse que novos dados são chamada de atenção global.

As meninas e adolescentes refugiadas entre o 5º e o 9º anos escolares têm metade da probabilidade de ir à escola do que os rapazes, segundo um relatório da Agência das Nações Unidas para Refugiados, Acnur.

A pesquisa, com o título “Her Turn”, “A Vez Dela” em português, diz que “para milhões de mulheres e meninas refugiadas a educação permanece uma aspiração, não uma realidade.”

Exclusão

O alto comissário para os refugiados, Filippo Grandi, defendeu que “é hora de a comunidade internacional reconhecer a injustiça de negar uma educação às mulheres e meninas.” Segundo ele, os novos dados do relatório “são uma chamada de atenção global.”

O alto comissário disse que “existem grandes barreiras para ultrapassar” e pediu “um esforço internacional para mudar essa corrente.”

Para Grandi, “encontrar soluções exige ação de todos os lados – Ministérios da Educação, instituições de ensino, comunidades, salas de aulas.”

O relatório explica que convenções sociais e culturais contribuem para a priorização dos rapazes, mas que uma série de ações pode melhorar a situação.

Se os adultos poderem trabalhar e sustentar a sua família, informa o relatório, é mais provável deixaram os filhos na escola. Se as meninas estiverem protegidas de abusos, isso também contribui. O relatório destaca ainda uma “necessidade urgente” de recrutar mais professoras mulheres.

Benefícios

Grandi diz que “se a educação das meninas refugiadas continuar a ser negligenciada, as consequências serão sentidas durante várias gerações.”

Segundo a pesquisa, uma educação reduz a vulnerabilidade das mulheres a exploração, violência sexual e de gênero, gravidez na adolescência e casamento infantil. Se todas as mulheres terminassem o seu ensino primário, desceriam também as mortes infantis por diarreia, malária e pneumonia.

O relatório diz que quanto mais as meninas avançam na escola, mais capacidades de liderança, iniciativa e resiliência têm. O estudo ilustra estas ideias com histórias de jovens de Ruanda, Burundi e Mianmar.

Apenas 61% das crianças refugiadas tem acesso à educação primária, comparando com uma média internacional de 91%. No nível intermédio, o número reduz para 23%, que compara com 84% a nível global.

Fonte: news.un.org

COMPARTILHE
NOTÍCIAS

Libya: Smugglers holding refugees and migrants in deplorable conditions, say UN agencies

COMPARTILHE

After weeks of conflict in western Libya, United Nations agencies have been working around the clock to meet the urgent needs of the more than 14,000 refugees and migrants who had been held captive in numerous locations in the coastal city of Sabratha – approximately 80 kilometres west of Tripoli.

Leia mais...

Bishops' migration chairman asks for extension of immigration status

COMPARTILHE

 The head of the U.S. bishops' Committee on Migration said some migrants from Honduras and El Salvador cannot safely return to their home countries in the near future and should have a special immigration permit extended.

Leia mais...
BIBLIOTECA

biblioteca

O CSEM possui uma biblioteca especializada em migrações abrangendo em seu acervo aproximadamente 3 mil livros, periódicos e revistas científicas de vários países. 

Para consultar nossa biblioteca online visite o site da biblioteca e pesquise em nosso acervo.Horário de funcionamento: segunda a sexta-feira, das 9h às 17h


Centro Scalabriniano de Estudos Migratórios - CSEM
SRTV/N Edificio Brasília Radio Center
Conj. P - Qd. 702 - Sobrelojas 01/02
CEP: 70719-900 - Brasília - DF / Brasil
Tel/Fax: +55 (61) 3327 0669
O endereço de e-mail address está sendo protegido de spambots. Você precisa ativar o JavaScript enabled para vê-lo.

twitter   facebook